Um pouco da História do Damaiense

O Sport Futebol Damaiense foi fundado por vontade de um conjunto de pessoas que à volta de um guarda redes do Palmense – de seu nome Álvaro Barata – se foram juntando para fazer um jogo nos Domingos em que o tempo estava bom. Diz-se que o mais entusiasta era barbeiro, e terá sido no seu estabelecimento, na Rua Carvalho Aráujo, onde terá funcionado como a primeira sede do clube.

O Sport Futebol Damaiense teve rápida expansão, sendo considerado pelos jornais de Lisboa como o Clube que melhor organizava competições na Linha de Sintra. Tendo como modalidades, o atletismo, ténis de mesa, ciclismo e futebol.

 

Era igualmente o que mais taças ganhava, registando-se, em 1943, um total de 21 troféus em 22 disputas. Por esta data constam as primeiras referências à doação de um terreno para a construção do seu campo de jogos, em agradecimento público ao benemérito Dr. Joaquim Cannas da Silva pela cedência que nos fez, em terreno da sua propriedade.

Pela edição de uma brochura do clube – devidamente visada pela comissão de censura – ficamos a saber que o ex-guarda redes do Palmense, é agora (em 1943) treinador dos “teams” do Damaiense. Do livro de honra constam os nomes do então Presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Capitão Coentro, do Presidente da Junta de Freguesia da Amadora Costa Malagueta e do representante da administração na Damaia, António Pombinho (todos salientando a contribuição do Damaiense para o desenvolvimento da localidade, do desporto e da educação física na mocidade).

 

Mudam-se os tempos

 

É desconhecida a história do Damaiense nos tempos mais recentes, porque a sua sede, que se encontrava encerrada no inicio do século XXI, por desinteresse dos sócios e dos então dirigentes – embora com o pagamento da renda em dia – foi mandada demolir, pela Camara Municipal da Amadora, com todo o recheio dentro.

Perdeu-se assim um espólio valiosíssimo, não só para a história do clube como para a história da freguesia e da cidade. Sabe-se que o clube foi perdendo capacidade organizativa e competitiva, nos últimos anos da sua vida desportiva, logo após o 25 de Abril, tendo ficado presa de interesses imobiliários e especulativos, situação que se arrastou até demolição da sede, quando já estava em arranjo organizativo o actual Parque Desportivo.  

 

No final de 2009 foi finalmente inaugurado o relvado sintético, bem como introduzidas outras melhorias nas instalações administrativas, balneários e lavandaria. Foram construídos dois relvados para treino dos mais novos, dedicados ao futebol de sete.

Como sempre acontece, a história renova-se e o Damaiense iniciou assim uma nova época, na cidade e na região da Grande Lisboa, possuindo em 2018 o maior número de atletas inscritos na Associação de Futebol de Lisboa, de entre os diversos clubes de futebol da Amadora.

Possui o melhor palmarés classificativo e o maior conjunto de troféus e placas comemorativas de êxitos passados.